Como funciona a bioquímica dos óleos essenciais

Como funciona a bioquímica dos óleos essenciais

PARTILHA ESTE ARTIGO

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Já alguma vez ouviste falar da bioquímica dos óleos essenciais? Muitos não sabem, mas os óleos essenciais utilizados na aromaterapia são estudados a nível químico.

Só através deste estudo é possível descobrir a ciência por trás dos efeitos benéficos que proporcionam ao organismo.

Hoje vamos falar da bioquímica dos óleos essenciais de forma muito simples! Assim, consegues ter uma melhor noção acerca da seriedade e eficácia da terapia com estes elementos naturais.

Bioquímica dos óleos essenciais: Como funciona a ciência do bem-estar

Os óleos essenciais são ativos químicos naturais muito utilizados na perfumaria, cosmética, indústria de alimentos e também como coadjuvantes em medicamentos.

A composição é à base de hidrogénio, carbono e oxigénio e podem ser divididos em dois grupos: os hidrocarbonetos e os oxigenados.

Os óleos essenciais classificados como hidrocarbonetos são compostos exclusivamente por terpenos, que se subdivide em monoterpenos, sesquiterpenos e diterpenos.

Já os óleos oxigenados têm uma grande quantidade de:

  • Ésteres
  • Aldeídos
  • Cetonas
  • Álcoois
  • Fenóis
  • Ácidos
  • Lactonas
  • Enxofre
  • Nitrogénio

Os óleos essenciais são extraídos das plantas com aromas característicos, estão no estado líquido e são solúveis em álcool.

Porém, alguns tipos, como o óleo de laranja, contêm ceras insolúveis, o que os torna mais difíceis de serem incorporados em produtos cosméticos.

A aparência costuma ter uma tonalidade de cor amarelada ou castanho-escuro. A bioquímica é extremamente complexa, alguns óleos podem conter até 800 componentes químicos, como o ylang ylang.

Por que é tão importante estudar e conhecer a bioquímica dos óleos essenciais?

Só assim é possível conhecer ainda mais benefícios e propriedades destes componentes que auxiliam na saúde e bem-estar.

As principais famílias químicas encontradas nos óleos essenciais são responsáveis pelos efeitos farmacológicos como analgesia, sedação, anti-inflamatório e assim por diante.

Atualmente é possível encontrar medicamentos que foram sintetizados a partir de substâncias encontradas nos óleos.

Por estes motivos, a pesquisa bioquímica dos óleos essenciais e as ações medicinais vão possibilitar aos aromaterapeutas, médicos e laboratórios, ampliar a perspetiva. 

O que significa que poderão explorar mais a fundo os benefícios terapêuticos destas substâncias.

Para compreenderes melhor a corelação entre a bioquímica dos óleos essenciais e as propriedades, vê a nossa lista:

  • Monoterpenos: ação antisséptica, antiviral, estimulante, energizante, expetorantes e descongestionantes. – Óleos essenciais: Todos os óleos cítricos.
  • Sesquiterpenos: Poderoso anti-inflamatório, antiespasmódico e calmante para o sistema nervoso. – Óleos essenciais: Camomila Alemã, Gengibre, Mirra e Patchouli
  • Monoterpenos: potente antimicrobiano, suave para a pele, ação bactericida, antiviral e suporte do sistema imunitários. – Óleos essenciais: Gerânio, Hortelã Pimenta, Lavanda, Neroli, Palmarosa e Rosa
  • Sesquiterpenos: Anti-inflamatórios, calmante do sistema nervoso, auxilia o sistema endócrino e emoções. – Óleos essenciais: Cedro, Patchouli, Sândalo, Vetiver
  • Aldeídos: Antiviral forte, calmante e sedativo para o sistema nervoso. – Óleos essenciais: Melissa, Litsea cubeba, Lemongrass e Eucalyptus citriodora.
  • Ésteres: Relaxante do sistema nervoso, proporciona equilíbrio, antiespasmódico e acalma inflamações da pele. – Óleos essenciais: Camomila romana, lavanda, Petitgrain e Sálvia esclarea
  • Cetonas: regeneram as células e combatem o muco. – Óleos essenciais: Óleos essenciais: Hortelã-pimenta, alecrim, cânfora
  • Fenóis: Bactericidas antisséptico, reforço do sistema imunitário e estimulante para o sistema nervoso. – Óleos essenciais: Manjericão, tomilho, orégano, folha de canela e cravo.
  • Óxidos: Antivirais, expetorantes e estimulantes respiratórios. – Óleos essenciais: Espécies de eucalipto, Cajeput, Niaouli, Alecrim e Cardamomo
  • Furanocumarinas: Fototóxicas e antimicrobianas. – Óleos essenciais: Angélica, Bergamota, óleos cítricos em geral.

Como podes perceber, a aromaterapia é uma ciência que envolve um profundo conhecimento acerca das propriedades dos óleos essenciais.

Agora que já sabes um pouco mais sobre a bioquímica dos óleos essenciais considera inserir a aromaterapia na tua rotina. Marca uma sessão connosco para encontrarmos a combinação de óleos que vai trazer mais equilíbrio e bem-estar para ti.

DESCOBRE MAIS ARTIGOS