Como funciona a bioquímica das emoções

Como funciona a bioquímica das emoções

PARTILHA ESTE ARTIGO

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Quando falamos em emoções, logo pensamos em algo totalmente abstrato. Não é comum as relacionarmos com reações biológicas e químicas do corpo. Porém, os conceitos estão inteiramente ligados um ao outro.

Tanto que emoções muito intensas podem desencadear reações físicas, e até mesmo as chamadas doenças psicossomáticas.

No post de hoje esclarecemos melhor o assunto, explicando com mais detalhes qual a influência da bioquímica das emoções.

Conheça a relação entre a bioquímica das emoções e as doenças psicossomáticas

Todos sabemos que o equilíbrio emocional é um dos pilares para conquistar mais saúde e bem estar. Além de cuidar da saúde física, através de uma boa alimentação e a prática de exercícios, também é fundamental que a mente esteja em harmonia.

Isso porque as emoções têm reflexo direto em todo o restante do nosso organismo, influenciando o seu devido funcionamento. Cada emoção tem uma “assinatura bioquímica” própria.

Por exemplo, a hostilidade, está associada ao excesso de cortisol. Já o afeto à produção de ocitocina, a felicidade à dopamina, as sensações de bem-estar à serotonina e à endorfina.

Os sentimentos desencadeam reações químicas no cérebro, que por sua vez leva à produção de hormônios e outras substâncias que podem nos fazer bem ou mal, gerando as chamadas doenças psicossomáticas.

É o caso da secreção do cortisol, conhecido como o hormônio do estresse. A presença em excesso dessa substância no organismo está associada ao surgimento de problemas digestivos, doenças cardíacas e até mesmo neurológicas, como o Alzheimer.

Em contrapartida, a ocitocina, que está associada à afeição e ao amor, reduz os níveis de cortisol e baixa a pressão, nos protegendo de doenças relacionadas ao estresse e a raiva.

1 – Mas afinal, o que são as doenças psicossomáticas?

Doenças psicossomáticas se manifestam quando o corpo físico passa a apresentar disfunções em razão de instabilidades emocionais. Geralmente, os sintomas apresentados não podem ser explicados de forma clínica.

Ou seja, o indivíduo apresenta os sintomas de uma doença ou distúrbio, porém a sua origem é indeterminada.  Pessoas com altos níveis de estresse e ansiedade são as mais acometidas pelas doenças psicossomáticas.

Essas manifestações físicas servem como um sinal de alerta de que existem questões internas que precisam ser entendidas resolvidas, como emoções em excesso ou em deficiência, dificuldades comportamentais e resistência às mudanças.

2 – Como equilibrar essa bioquímica das emoções?

O autoconhecimento é fundamental para este equilíbrio. Identificar, compreender e lidar com o ciclo das próprias emoções é determinante para perceber as causas emocionais associadas aos problemas de saúde.

Lembre-se que os sintomas psicossomáticos são sinalizadores de que algo não vai bem, e precisa ser mudado. Neste sentido, trabalhar para desenvolver inteligência emocional nos prepara para identificar e saber lidar com as emoções.

Dessa forma, fica mais fácil identificar as crenças limitantes e os padrões nocivos para sua saúde emocional e física.

Quando um indivíduo se apega em sentimentos como raiva, tristeza e frustração, essas emoções acabam ganhando cada vez mais espaço no organismo e podem gerar doenças.

Algumas práticas que visam atingir o equilíbrio emocional são:

Reconhecer as emoções: Reconhecer as emoções significa ter consciência sobre o que você sente quando se vê diante de uma situação especifica. Faça uma auto avaliação e analise o que sente quando estiver em uma discussão, por exemplo.

Controlar as emoções: Em momentos nos quais você sente muita raiva ou medo, por exemplo, é preciso ser capaz de controlar as emoções e acalmar os sentimentos antes de tomar decisões.

Automotivação: Ao longo da vida somos surpreendidos por inúmeras situações, altos e baixos, que nos fazem perder a vontade de continuar lutando e buscando nossos objetivos. A motivação é fundamental para manter o senso de propósito. 

Desenvolver a empatia: Saber se colocar no lugar do outro e compreender o que ele está sentindo é muito importante para entender suas decisões. A empatia também o fará ser uma pessoa mais aberta e sensível.

Não deixe que sentimentos negativos sejam predominantes na sua vida. Busque sempre o equilíbrio das emoções, conquistando mais felicidade, saúde e bem estar!

DESCOBRE MAIS ARTIGOS

Emoções e óleos essenciais Qual a ligação
Saúde e Bem Estar

Emoções e óleos essenciais: Qual a ligação

Certamente alguém já te recomendou a aromaterapia para te ajudar a lidar com algumas emoções. O ceticismo de muitos acerca das propriedades dos óleos essenciais

Tudo o que precisas saber sobre a Vitamina D
Saúde e Bem Estar

Tudo o que precisas saber sobre a Vitamina D

A Vitamina D é um nutriente essencial utilizado pelo nosso corpo para diversos processos vitais, como a construção e manutenção de ossos fortes. É comumente